CDL Euclides da Cunha

sexta-feira, 1 de abril de 2022
Canais de vendas online cresce com mulheres empreendedoras

A pandemia impulsionou o crescimento do canalonline no Brasil. E não foi diferente nas empresas dirigidas pelas mulheresbrasileiras. Um estudo realizado pela Confederação Nacional de DirigentesLojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), em parceria com oSebrae, aponta que as vendas pela internet possuem uma expressiva participaçãono negócio das mulheres empreendedoras do país: 88% das entrevistadas utilizamcanais de venda online, principalmente o WhatsApp (74%) e as redes sociais(57%). Os canais de venda física representam 44%, sendo que 22% possuemescritório/loja e 20% vão até o cliente, o famoso “de porta em porta”.

Apesar do uso frequente das ferramentas de venda,especialmente as digitais, é notório que a maioria dos negócios das mulheresainda necessita de profissionalização. Praticamente nenhuma tem uma equipeprofissional para cuidar do marketing da empresa, sendo que elas própriasacabam assumindo essa responsabilidade (95%).

Além disso, ainda é baixo o número de empresáriasque investe financeiramente em algum canal de divulgação para atração declientes, menos da metade faz isso (42%). Entre as que fazem, o uso maisfrequente é o impulsionamento nas redes sociais (23%). Trata-se de umamodalidade relativamente barata e que ajuda as empresárias a prospectar novosclientes. Por outro lado, 58% não investem em nenhum canal.

“As empresas tiveram que se adaptar rapidamentedurante a pandemia e os pequenos varejistas encontraram nas redes sociais umasaída para continuar atendendo a sua clientela. E diante da crise essaadaptação foi realizada na maioria das vezes sem capital e sem capacitação, sendofeita diretamente pelos empreendedores e empreendedoras”, destaca o presidenteda CNDL, José César da Costa.

Os desafios em relação à gestão dos negóciostambém ganham destaque na pesquisa. Embora 77% das empreendedoras adotem algumaprática de gestão para melhor conduzir o negócio, menos da metade faz controlede caixa (45%), controle de vendas (30%) e planejamento estratégico (17%). Já23% admitem não adotar nenhuma prática.

“Os dados demonstram um caminho importante a serpercorrido para geração de crescimento e sustentabilidade da empresa sobretudonum cenário de instabilidade econômica o qual o país atravessa”, aponta aespecialista em finanças da CNDL, Merula Borges.

92% enfrentamdesafios na gestão dos negócios

Empreender no Brasil envolve múltiplos desafios ea opinião das mulheres empreendedoras reflete essa dificuldade. Os desafiospara o crescimento da empresa são vários e quase todas (96%) foram capazes decitar algum especificamente, sendo os principais: as crises econômicasrecorrentes (32%), conquistar clientes / vendas (31%), concorrência (25%),capital de giro (24%) e valor dos impostos (18%).

No que diz respeito aos desafios específicos dagestão do negócio, 9 a cada 10 mulheres mencionaram algum problema particular(92%), sendo os quatro principais: a gestão financeira (27%), o relacionamentocom clientes (22%), a gestão de marketing e vendas (22%) e qualidade deprodutos e serviços (20%).

“Muitas empreendedoras iniciam os seus negócioscom um bom produto, mas sem conhecimento de gestão e isso impacta diretamentena administração e manutenção dessas empresas. O Sebrae, por exemplo, ofereceuma ampla gama de cursos, muitos deles online, para capacitação dessasempreendedoras”, destaca Costa.

86%administram os negócios sozinhas

Empreender é uma atividade solitária para amaioria das mulheres empreendedoras: 86% das entrevistadas afirmam queadministram sozinhas a empresa, percentual que é maior entre as mulheres dasclasses C/D/E (89%) e donas de negócios não formalizados (92%). Apenas 9% têmoutras sócias mulheres e 4% sócios homens ou homens e mulheres.

A grande dificuldade relatada pelasempreendedoras é a conciliação dos “papéis” desempenhados pela mulher: serempreendedora, dona de casa e mãe. Mais especificamente: 38% responderam queseu principal desafio ao empreender era “conciliar a vida profissional com astarefas domésticas” e 34% que era “conciliar a vida profissional com o cuidadodos filhos/família”.

O preconceito quanto à capacidade das mulheres deocuparem uma posição de chefia e liderança (16%) e o de que as mulheres são“menos capazes” dos que os homens (15%) também foram destacados pelasentrevistadas.

Apesar das dificuldades relacionadas ao lar e aopreconceito, mais da metade das empreendedoras (51%) concorda que também hávantagens das mulheres em relação aos homens, principalmente: a capacidade defazer várias coisas ao mesmo tempo (58%), serem mais atentas aos detalhes daempresa (53%), serem mais organizadas (52%) e mais criativas (50%).

Essa divisão é também observada na propensão queas empresárias têm de contratar outras mulheres. Entre as que possuemfuncionários, aproximadamente metade prefere contratar outras mulheres (50%),sendo que para 29% essa é apenas uma preferência, porém não é determinante, epara 21% esse é um requisito importante.

55%consideram difícil ou muito difícil conseguir crédito no Brasil

O acesso ao crédito é um dos principaisobstáculos a ser enfrentado pelo(a) empreendedor(a) brasileiro(a),especialmente o de pequeno porte e o microempreendedor individual. E essadificuldade é confirmada pelas empreendedoras: trata-se de uma realidade paramais da metade das mulheres entrevistadas (55%), que considera difícil ou muitodifícil conseguir empréstimos e/ou financiamentos para a empresa.

De acordo com a pesquisa, apenas 16% dasempresárias pretendem tomar crédito nos próximos 6 meses, motivadasprincipalmente pela necessidade de incrementar o capital de giro (38%),pagamento de dívidas (35%), ampliação do negócio (35%) e compra de estoque einsumos (25%).

Quanto ao nível de endividamento, aproximadamente2 a cada 10 empreendedoras do varejo e serviços possuem dívidas atualmente(23%), principalmente cartão de crédito (61%) e empréstimos (15%). Entre as quepossuem dívidas, 56% estão inadimplentes.

SOBRE APORTA-VOZ

Merula Borges: Especialistaem investimentos e risco pela Fundação Getúlio Vargas, especialista em Gestãode Negócios pelo IBMEC, bacharel em Administração de Empresas. Com mais de 12anos de experiência na área financeira, atualmente exerce a função decoordenadora financeira e administrativa na Confederação Nacional de DirigentesLojistas.

 

INFORMAÇÕES À IMPRENSA
Marina Barbosa
(61) 9 8340 0257
marina.barbosa@cndl.org.br

 

Por: CDL Euclides da Cunha
Publicação vista 152 vezes



quinta-feira, 2 de junho de 2022
São João do Comércio 2022
São João do Comércio 2022
quarta-feira, 25 de maio de 2022
São João do Comércio 2022
São João do Comércio 2022
segunda-feira, 21 de março de 2022
CDL de Euclides da Cunha realizar evento para homenagear mulheres no mes da mulher
CDL de Euclides da Cunha realizar evento para homenagear mulheres no mes da mulher

Convenção dos Comerciários | Feriados | Agenda | Lista Telefônica
Copyright 2011 © CDL Euclides da Cunha - Todos os direitos reservados